CF: POLITICAS PÚBLICAS

CF: POLITICAS PÚBLICAS

Sem mexer em seu conteúdo doutrinário, o Concílio Vaticano II – 1962 a 1965 –
alterou profundamente o perfil da Igreja Católica. Antes, voltada para si mesma, tinha
como preocupação a Verdade; a partir de agora, a Igreja se volta para o mundo,
atenta à eficácia da Boa Nova. É uma Igreja que acerta o passo com a modernidade.
Ao definir o papel da Igreja no mundo, o Concílio afirma: “As alegrias e as esperanças,
as tristezas e angústias do homem, são também as alegrias e as esperanças, as
tristezas e angústias dos discípulos de Cristo” (GS. 1).
A Campanha da Fraternidade é um dos muitos frutos conciliares. A primeira edição da
CF aconteceu em 1964 e tinha como tema: A Igreja em Renovação e o lema esclarecia:
Você também é Igreja. A primeira etapa prolongou-se até 1973, quando Campanha da
Fraternidade começou a apontar a realidade do povo, denunciando os pecados
sociais. Na terceira fase o enfoque passou a ser as situações existenciais do povo
brasileiro: o pão, a terra, a saúde, a segurança, a poluição, a droga… Houve que
dissesse que a Igreja saía de seu campo específico. O Mandamento do Amor é para ser
vivido agora. A atividade dos governantes e políticos é promover o Bem Comum. Não
podemos ficar de braços cruzados diante da injustiça e desrespeito à vida.
Os últimos temas tratados: Fraternidade e a Fome ( 2019 ); Fraternidade e a
Segurança ( 2009 ); Fraternidade e Violência ( 2018 ) ;Fraternidade e o cuidado da
Vida ( 2017) e Fraternidade e a Água ( 2004 ) Neste ano foi escolhido o tema:
Fraternidade e Políticas Públicas; o lema foi buscado no profeta Isaias: Serás libertado
pelo direito e pela justiça ( Is 1,27).
A CF deste ano não falará de eleições, nem de política. Ela engloba os mais diferentes
ramos de pensamento, como ciências sociais, ciências econômicas, administração
pública e a participação do povo em todas as instâncias. É a relação do Estado com
todas as instituições visando o Bem Comum. Destaque para a criança, saúde, idosos,
doentes, segurança, sobretudo a partir dos mais vulneráveis. É o encontro da Fé com a
Política; da Fé com a Vida, excluindo a dualidade.
O Estado brasileiro é Laico, mas maioria do povo – mais de 80% – é constituída de
cristãos. Eles têm o direito e dever de falar, de tornar presente no mundo o fermento
do Evangelho.

Frei Aldo Colombo.

compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *